Numa parceria com a Secretaria Especial de Política para as Mulheres, do governo federal, e com a Rede Feminista de Saúde, a ABEn vem desenvolvendo várias atividades entre os profissionais da Enfermagem com os temas referentes aos direitos sexuais e reprodutivos.
A primeira ação foi a realização de um curso durante o 62º Congresso Brasileiro de Enfermagem, ocorrido em outubro na cidade de Florianópolis (SC).

Durante um dia inteiro foram apresentados e discutidos os desafios, as demandas e a implantação de políticas públicas direcionadas à saúde das mulheres. Esteve presente a secretária executiva Télia Negrão, do Coletivo Feminino Plural, de Porto Alegre (RS), e secretária executiva da Rede Feminista de Saúde. Foram ressaltadas informações dos problemas de violência contra as mulheres, que ultrapassa culturas e nacionalidades. A Rede Feminista de Saúde atua para combater essa realidade e para contribuir com a ampliação das políticas,, como prevê o II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, ainda não executado na integralidade pela União, estados e municípios.

CAMPANHA – Um dos assuntos do curso foi a Campanha Ponto Final na Violência contra Mulheres e Meninas que se constitui num importante instrumento para potencializar o processo de reversão de opiniões conservadoras da sociedade que até bem pouco tempo mantinha-se omissa à violência contra as mulheres, mas hoje já está informada sobre o fenômeno e vive sob uma nova legislação, que reconhece os direitos humanos das mulheres.
A Campanha Ponto Final é uma intervenção que se diferencia de outras estratégias pois enfatiza o debate e a reflexão sobre padrões culturais. Para a advogada e mestra em Antropologia Renata Jardim, assistente executiva da coordenação geral da Ponto Final, não adianta apenas punir. É preciso compreender a violência como ela ocorre, os processos culturais que a legitimam e os enormes danos produzidos, buscando formas de relacionamentos e convivências baseadas no respeito e não em agressões.

03